Tudo o que você precisa saber sobre Gestão Sustentável de Obras!

Muitas vezes você já leu ou então escutou alguém falar sobre o termo “Sustentabilidade”, não é mesmo? Esse conceito começou a ser discutido, a nível mundial, em 1972 na Conferência de Estocolmo e...

E-book Consultec Jr.

Obras mais eficientes e sustentáveis

 

Muitas vezes você já leu ou então escutou alguém falar sobre o termo “Sustentabilidade”, não é mesmo? Esse conceito começou a ser discutido, a nível mundial, em 1972 na Conferência de Estocolmo e, diante de todo esse debate, pode-se defini-lo como o conjunto de ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos, sem comprometer o futuro das próximas gerações.

 

No entanto, a busca pelo desenvolvimento sustentável vem sendo uma batalha que pouco se observa em diversos segmentos da economia brasileira, dentre eles iremos abordar como está essa situação  na Construção Civil, haja vista que ela é responsável por grande parte do consumo de energia e de matéria-prima que são produzidas no nosso país e, por conseguinte, é considerada uma das atividades que mais geram resíduos, estima-se 84 milhões de metros cúbicos por ano.

 

Comumente, quando se fala em obra, a primeira imagem que vem à nossa mente é um canteiro com muitas máquinas, operários e vários materiais que serão utilizados para execução desta. Esse pensamento não está errado, porém, existem outras etapas que também têm que ser levadas em consideração. Uma construção divide-se basicamente em 4 fases: projeto, construção, manutenção e demolição, e é em cada uma delas que devemos pensar detalhadamente como podemos agir de forma a utilizar materiais sustentáveis, reduzir os resíduos gerados, diminuir o impacto causado ao meio ambiente e, por fim, gerar novas possibilidades de reutilização e de reciclagem de todos os insumos.

 

Dessa maneira, com o avanço da tecnologia tanto dos materiais quanto da gestão dos processos utilizados na construção civil, hoje temos diversas opções de escolha para se fazer uma construção sustentável, tendo como objetivo atingi-la em três aspectos principais: ambiental, social e econômico.

Como já era de se imaginar, o meio ambiente sofre impactos gigantescos decorrentes da indústria de construção. Estima-se que 35% dos materiais como madeira, areia, minerais  e metais são destinados a esse setor. Além disso, pode-se citar também a questão energética, na qual estima-se que mais da metade da energia produzida em nosso país seja destinada a abastecer casas e condomínios. Para evitar os possíveis resultados sobre o meio ambiente decorrentes  desse cenário, listamos uma série de medidas facilmente tomadas para tornar sua obra mais sustentável.

 

  • Redução de poluição e resíduos sólidos

Sabe-se que uma obra gera muita poluição de todas as formas. Diante disso, antes mesmo de dar início à obra, deve-se elaborar o PGRCC,  Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil.

 

Este documento é importante não somente por atender as exigências de leis e normas federais, estaduais e municipais, mas também porque representa todo o planejamento do gerenciamento dos resíduos, definidos desde os procedimentos operacionais até os  administrativos.

 

A elaboração de tal documento, baseia-se no Plano Nacional de Resíduos Sólidos e na resolução do CONAMA nº 307/2001, deixando claro quais resíduos serão gerados, quem ficará responsável pelo gerenciamento e transporte desses resíduos, quais documentos comprovam as conformidades em todas as etapas, etc. 

 

Uma boa alternativa para reduzir a quantidade de resíduos gerada é optar por materiais que apresentem uma durabilidade maior, por exemplo, optar por andaimes de metal em substituição dos andaimes de madeira.

 

Outra ponto positivo é separar os resíduos (pedaços de concreto, madeira, areia, tijolos quebrados, etc) e avaliar a possibilidade de reutilizá-los na própria obra ou encaminhá-los para reciclagem. Essa prática diminui a quantidade de volume de resíduos e aumenta a vida útil dos aterros sanitários. 

 

Os pedaços de concreto podem ser encaminhado para usinas, fixas ou móveis, na qual são são processados e transformados em bica corrida, que é proveniente de britagem primária, e material peneirado que pode gerar pedrisco, pedra 1, areia, rachão.

 

Geralmente, esses produtos são utilizados como base e sub base na pavimentação ou para aterro (como é o caso dos aterros sanitários, que separam esse tipo de resíduo e utilizam na construção das vias de passagem dos caminhões conforme o aterro cresce), na terraplenagem, e na fabricação de artefatos de concreto como blocos de vedação, sarjetas, mourões, guias e pisos intertravados.

 

 

A água é um recurso fundamental para vida na Terra. Algumas regiões sofrem constantemente com episódios de  escassez hídrica.

 

Visando minimizar esses impactos, algumas medidas podem ser tomadas ainda no projeto da obra, como por exemplo, escolher material de boa qualidade para o encanamento, evitando desperdícios futuros de água ou reparos recorrentes na obra.

 

Deve-se também fazer uma planejamento que contenha com uma gestão da água para definir e monitorar os processos que reduzam o consumo de recursos hídricos. 

 

Além disso, na construção de um condomínio, por exemplo, pode-se implementar na estrutura um sistema de reuso de água de ar condicionado ou, de maneira mais simplificada, utilizar calhas para drenar as águas da chuva para um reservatório e utilizá-la para limpar o piso, regar as plantas, descargas de banheiros, etc. 

 

  • Aproveitamento dos recursos naturais

Como foi dito anteriormente, estima-se que mais da metade da energia produzida em nosso país seja destinada ao abastecimento de casas e condomínios.

 

Diante disso, uma boa alternativa é aproveitar os recursos naturais para investir em fontes de energias renováveis, como a utilização de placas solares, por exemplo, ou,  de maneira mais simples, aproveitar a incidência solar para dispensar o uso de lâmpadas de dia em alguns cômodos da edificação.

 

Outra possibilidade é aproveitar as correntes de ar para fornecer um conforto térmico maior, evitando gastos excessivos com condicionadores de ar.

 

  • Utilizar produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis

Atualmente, há no mercado uma enorme quantidade de materiais ecologicamente amigáveis. Ao comprar madeira para sua construção, certifique-se de que este material é proveniente de reflorestamento ou opte por madeira plástica, também conhecida como madeira ecológica, sua fabricação é feita a partir de resíduo plástico reciclado, e nenhuma árvore é derrubada para a sua fabricação. Além disso, a madeira plástica não agride o meio ambiente. 

 

 É possível executar obras de forma sustentável?

Sabemos que a indústria da construção civil está entre as que mais poluem em todo o mundo, mas com o devido cuidado e controle, é possível reduzir esse impacto negativo. 

 

Atualmente, o Brasil é considerado o pais que menos polui por meio da construção civil, o que mostra uma evolução na tecnologia e na preocupação desse setor em obter soluções mais sustentáveis. 

 

Diante disso, é possível realizar a execução de obras com impactos reduzidos, e para isso é importante se atentar às normas de sustentabilidade que são responsáveis por garantir ao nosso país essa posição no ranking da sustentabilidade. 

 

Portanto, a sustentabilidade em obras não deve ser encarada como "algo a mais", mas sim, como algo necessário e indispensável, visto que a ausência desses processos podem acarretar não só em multas, mas em consequências ainda piores ao se tratar do meio ambiente.